O vinte e cinco de dezembro

O Natal, nascimento de Jesus, na verdade é uma data muito mais cultural do que religiosa. Os cristãos do Império Romano escolheram essa data por muitos e muitos motivos ao longo dos primeiros três ou quatro séculos de nossa Era.

Alguns motivos:

  • É o solstício de inverno: os romanos comemoravam o solstício, além de ser o dia mais curto do ano, portanto a “luz” cresceria nos dias seguintes. Obviamente uma metáfora para a “luz” que Jesus trouxe ao nascer;
  • Falando em luz, ligar Jesus com o Sol é algo presente na Bíblia, onde Jesus é citado como “a luz do mundo”;
  • Ligação com o deus romano Sol Invictus;
  • Ligação com o Mitraísmo, uma seita bastante comum antes do Cristianismo vir a existir e que só foi proibida junto à outras religiões pagãs quando o Cristianismo se tornou a única religião oficial do Império.

O vinte e cinco de dezembro foi associado com outros deuses antes de Jesus e, tal qual qualquer figura religiosa, muitos atributos foram herdados de deuses antigos, à exceção de um: a figura de um único deus, com Jesus sendo o seu representante no Cristianismo. Uma inovação do Judaísmo, mas mais próxima das pessoas, pois elas puderam se identificar com a figura carismática de Jesus, mesmo que sua existência, até hoje, não tenha sido comprovada.